sexta-feira, 8 de maio de 2009

Possuída pelo demo

É de conhecimento geral que quando não se tem o que fazer procura-se. E um dos meus passatempos favoritos nessa vida nerd-vegetativa-na-frente-do-computador é achar o que zoar. E meu alvo favorito, são com certeza, os crentes.

Talvez porque, desde pequena, convivi com pessoas extremamente religiosas a palavra “ateu”, sempre foi me apresentada como algo de cunho perjorativo, talvez até como um xingamento. Lembro-me da vez em que eu, me recusando a ir na missa com minha mãe, fui questionada. “Como assim, vai virar atéia?”, como se isso causasse um desgosto do mesmo nível de que se eu informasse minha mãe que iria mudar-me para Serra Leoa trabalhar numa mineradora (apesar de que eu não faço a mínima idéia se existem mineradoras em Serra Leoa, mas enfim, foda-se).

Mas voltando ao assunto, foi numa dessas buscas por algo pra ser zoado que eu encontrei esse site.
Não precisa ter muito trabalho pra achar alguma coisa digna de zoação.

Eu acho muito estranho que pessoas, em qualquer época, ainda consigam acreditar num livro escrito em algum idioma estranho, que foi traduzido pro alemão por algum desocupado que não me recordo o nome e depois para outros 837343 idiomas. Não consigo acreditar que ainda existam pessoas que acreditam que a 2009 anos um cara que se dizia filho de Deus morreu crucificado pra perdoar os pecados de toda a humanidade (se fosse assim, por que ainda corremos o risco de ir para o inferno se o tal pessoa já fez isso pra nos salvar?). Não consigo acreditar que alguém consiga ver mensagens satânicas e malignidades em praticamente TUDO o que vê pela frente. Deve existir algum tipo de distúrbio psicológico que cause esse tipo de coisa, não é possível.

Então me deparo com o relato de uma ex-fã de Senhor dos Anéis sobre como a série é demoníaca e maligna.

O texto é completamente sem noção. Primeiro porque mostra o quanto uma pessoa pode ficar cega pela crença religiosa exagerada; segundo porque a mulher em questão não mostra ter um pingo do que costuma-se chamar de bom senso e lógica.

Eu gostava muito do escritor J. R. R. Tolkien, principalmente antes de me tornar cristã. Depois fui notando que haviam coisas muito perniciosas em sua obra. Eu possuía “O Senhor dos Anéis” e “O Silmarillion”. Na época, eu ainda era adepta do Espiritismo. Bem, os livros – os dois – me causavam uma estranha confusão religiosa, irracional e perigosa, não quanto ao Espiritismo, que eu só vim a abandonar alguns meses depois, mas quanto a Deus e Sua justiça. Então, vendo que os livros estavam me prejudicando, resolvi me livrar deles, a história me deixava deprimida, mas estranhamente eu gostava dela e tinha uma coleção de fotos do Elijah Wood, o ator que interpretou Frodo no filme. O “Senhor dos Anéis”, infelizmente e irremediavelmente, para os outros, eu deixei na biblioteca pública de minha cidade. O “Silmarillion” eu dei para uma senhora, fã de Tolkien, que queria muito lê-lo, ela e seus filhos. É um livro perigoso, com toda a teologia da Terra Média. A senhora, espírita, começou a crer que tudo aquilo era verdade… Não só fantasia."

Ok, vamos analisar. Primeiro ela fala que era muito fã da série quando ainda não era cristã. Depois afirma que na época, era adepta do Espiritismo. Ok, e não é o Espiritismo uma doutrina cristã? Ou seja, ela começa o texto se contradizendo.

Depois, ela diz que é um livro perigoso, por causa da “teologia da Terra Média”. Certo, para quem não sabe, “teologia”, é o estudo das diversas religiões. A não ser que alguém aqui esteja cultuando elfos, hobbits e anões, acho que a nossa querida fanática religiosa está falando merda de novo.

Depois percebi os detalhes muito, muito perigosos sobre os livros. A começar, o próprio escritor. Ele era um católico fanático. Nada nele lembrava um cristão de verdade. Ele era um senhor orgulhoso, megalomaníaco, e presunçoso. A primeira coisa que ele inventou – ou psicografou (*) – foram as línguas. As histórias nem existiam. Ele criou muitas línguas. Ele passava horas sozinho, trancado na garagem, desenvolvendo as línguas. Detalhe: falar línguas estranhas, pra quem não é um cristão de verdade, é um sintoma de “possessão” demoníaca. Depois, ele inventou um mundo imaginário que se adaptasse à “beleza” dessas línguas. Ele mesmo depois veio a confessar que esse mundo imaginário, “Arda”, era nosso próprio mundo visto de outra dimensão.

Percebam a conexão estre as duas primeiras frases do parágrafo. Puxa, faz completo sentido pra mim!
Olhem, que divertido! Tolkien inventou ou psicografou as línguas! E ela ainda afirma que as histórias nem existiam. Puxa, eu não sabia! Achei que um elfo e um anão passariam na frente de casa agora mesmo, junto com o carro da pamonha! Me decepcionei, humpf!
E ainda faz uma observação, de que falar línguas estranhas é um sinal de possessão demoníaca. Cuidado, cuidem bem dos seus filhos, e acho que vou pedir pra minha mãe cuidar bem de mim também, puq el faol tiopês e tamem poos estra posuida pelo demonio ok/

"[...] Depois ele escreveu “O Senhor dos Anéis”. Ele escreveu o livro em 12 anos e o publicou no 13º. Repare aí no número 13. No esoterismo, o número 13 representa o término de todos os trabalhos de magia. Ele escreveu o livro durante a noite, sozinho, na garagem. Mais um sinal de “possessão” demoníaca."

Lembrem-se, crianças, nunca levem 13 anos para fazer alguma coisa, levem 12 ou 14, para não acharem que é trabalho do demônio, ok? Nunca fiquem sozinhos em algum lugar para se concentrar em algo trabalhoso que estejam fazendo, porque ficar sozinho é sinal de estar possuído pelo demônio, e vocês não querem isso, certo? Na dúvida, quando quiserem estudar levem seus livros/apostilas para o metrô da Sé às 6 da tarde, assim terão certeza de não ser confundidos com alguém possuído pelo capeta.

Acho que nem preciso apontar o resto das besteiras do texto, porque qualquer pessoa com um QI superior a 4 pode encontrá-las sem muita dificuldade.

O resto do site também não deixa a desejar.

Toda a seção de “Malignidades” é uma pérola por si só; a parte do Shampoo Seda, por exemplo, onde eles afirmam que se pode ver a figura do capeta na embalagem é uma das melhores coisas que eu já li.

Cuidado, gente. Vocês podem morrer e ir parar no inferno, onde só vai ter shampoo Seda.
Bem que ele deixa meu cabelo uma palha, mesmo.

5 comentários:

Sniper Wolf disse...

O que você ou sua mãe tem contra os mineradores de Serra Leoa? XD

Bahh... A parte mais legal da história é quando ela diz que um livro ela deixou na Biblioteca e o outro deu para uma senhora.
Imagina o que "Deus" pensou dessa atitude irresponsável e malígna dela.
Já era, vai queimar no mármore do inferno. huahauhauha

Leo disse...

Esses religiosos me divertem. Os caras conseguem ser tão mirabolantes que acabam se afogando na própria paranóia. Lamentável.

Guttwein disse...

É realmente preocupante o quanto a religião(a fé), que deveria ser um difusor de paz e tranquilidade(para quem crê),pode aprisionar as pessoas.

Se bem que,antes de sair por ai,apontando o dedo,deveriamos diariamente reconhecer nossas loucuras e entrar em contato com nossa estupidez!.Reconhecer o quão pequenos somos diante de um alheio ; ).

Lak disse...

Minha religião não permite postar o que eu pensei a respeito, sorry!

Anônimo disse...

Sou um católico praticante bem-resolvido, estudioso da cultura religiosa, e respeito tua opinião sobre religiões numa boa. Esta convertida não entendeu nada de Tolkien e certamente,pisou na bola.Mas há pessoas religiosas que, certamente não acha que o demo "está em tudo".Pêro, que Cristo ressussitou, jô acredito que si!Um abraço, em nome do diálogo civilizado.

Postar um comentário